Real Madrid cai, se ergue e mostra que ainda é o maior europeu

Cristiano diz não entender os protestos da Juventus
12 de abril de 2018
O mundo todo contra o Madridismo
13 de abril de 2018
Cristiano Ronaldo na UCL

Cristiano Ronaldo na UCL

Compartilhe

Dê uma nota pra esse post:

Não faltou emoção, tensão e medo na partida entre Real Madrid e Juventus. Após vencer a Juventus na Itália por 3 a 0, os merengues se surpreenderam ao levar os mesmo três gols jogando em casa. Mas prevaleceu a insistência e comprometimento dos jogadores, que mesmo na pior circunstância possível (o Real Madrid nunca ficou três gols atrás no placar em toda história de competições europeias), não demonstraram desânimo e acreditaram novamente em sua habilidade de resistência e força na Liga dos Campeões, um rótulo justificado e que ninguém é capaz de contestar. E nem copiar, pois só o Real Madrid tem. A atuação memorável da Juventus, que com certeza serviu de lição para os jogadores do clube espanhol, fez com que todo torcedor madridista sentisse pontadas no coração. A partir do terceiro gol da Juventus, o Real Madrid demonstrava certo temor e via a Juventus crescer em campo. Mas passado os 90 (na verdade, 96) minutos, esse pesadelo será apenas uma lembrança muito difícil de esquecer.

Classificado para as semifinais pela oitava temporada consecutiva, e pela 29ª nona vez em sua história, uma marca que mantém uma média de uma semifinal a cada duas edições. E não foi uma casualidade o ocorrido no Berbabéu. Não foi apenas uma partida onde o único marcado fez a diferença e nada além disso. Foi um jogo onde um polêmico pênalti assinalado no (santo) minuto 93 decidiu o resultado. Nunca uma derrota foi tão aliviadora para o campeão mundial de resistência.

A Juventus não é uma equipe em declive, mesmo com o contínuo desejo de desvalorizar os méritos do Real Madrid, pela partida em Turim. É um time campeão e que sabe competir como campeão. O primeiro tempo da Juventus foi assustador, inacreditável. Começou com intensidade e pressão, dando tudo de si desde o primeiro segundo. Logo no primeiro ataque, com dois minutos de jogo, abriu o placar com Mandzukic, após um cruzamento perfeito do ex-madridista Sami Khedira, mostrando aos torcedores que não é tão ruim quanto pensam.

Resultado de imagem para mandzukic

E quando a partida parecia estar equilibrando-se, com o Real mais presente no campo de ataque, a Velha Senhora fez o segundo. Aos 37’, em outro cruzamento da direita, dessa vez feito por Lichtsteiner, Mandzukic cabeceou firme e mandou a bola entre Navas e a trave, que poderia ter sido mais eficiente. A partir daí, a postura da Juventus foi intensa atrás do gol, com Douglas Costa aterrorizando a defesa blanca com transições em velocidade. Os comandados de Zidane se perderam em campo com a falta de Sergio Ramos, que dava alma e força ao setor defensivo.

O Real Madrid tentava sem parar. Casemiro estava fazendo sua função roubando bolas, mas ainda é relutante em assumir um protagonismo e presença mais imponente, como fazia em outras ocasiões. Enquanto Matuidi anulava Modric no meio campo, Isco e Bale não conseguiam ser eficientes na criação. A Juventus, que estava mais organizada e intensa do que na partida em Turim, tomou controle absoluto da situação.

As jogadas insistidas com Isco, que carregava a bola de uma lateral a outra buscando espaços, não surtiam efeito. Quando o time passou a acertar mais o toque e encontrar-se em campo, o gol de desconto até chegou a sair dos pés de Isco, mas foi anulado de maneira equivocada.

Já era esperado, por conta do estado da partida, que o Real Madrid poderia puxar o freio de mão, uma vez que os laterais participavam intensamente no ataque e defesa e poderiam estar esgotados caso precisassem conter as subidas de Douglas Costa ou Mandzukic. O sentimento que tomava conta do Bernabéu era de incredulidade. A chegada mais perigosa de gol foi em uma cabeçada de Varane, que parou em ótima defesa de Buffon.

O segundo tempo foi uma batalha de nervos para o Real Madrid, especialmente por estar jogando praticamente sem Modric, já que Matuidi era sua sombra, tornando-o ineficaz. A entrada de Lucas Vasquez e Marco Asensio, nos lugares de Casemiro e Gareth Bale, era um sinal claro de que Zidane exigia um gol o quanto antes, para tranquilizar time e torcida. Mas a Juventus seguiu fazendo sua parte, inibindo qualquer tentativa de infiltração do time merengue. E no momento em que o Real Madrid aparentava estar mais perdido em campo, Keylor Navas salvou um chute de Higuain que tinha endereço certo. Era possível sentir a tensão no ar, em uma situação que já previa e esperava o terceiro gol. O time da casa não podia cometer um erro sequer, porém Navas conseguiu fazer pior do que isso. Após jogada de Douglas Costa pela lateral, o brasileiro cruzou para área na direção das mãos de Keylor Navas. O que ninguém esperava é que o costarriquenho não conseguisse segurar a bola direito, deixando escapar limpa para Matuidi fazer o terceiro gol.

Resultado de imagem para navas matuidi

Ainda faltavam 30 minutos para o fim da partida, o que deixava o Real Madrid em uma situação extremamente delicada, o que deixou os madridistas em pânico. Caso fizessem mais um gol, seria dois sofrer dois gols para ser eliminada. E a Juventus estava mais perto do quarto gol do que o Real Madrid do primeiro

Poucas equipes lidam com tais situações tão bem quanto o campeão italiano. As opções no ataque do Real Madrid não era eficientes. A Juventus começou a jogar sem riscos, lidando bem com a situação do jogo. As tentativas de ataque eram sempre nulas, já que a Juventus se defendia muito bem, focada e determinada. Seu orgulho, que tinha sido ferido quando jogou em casa, mas agora devolvia a mesma situação em cima do campeão europeu, time do melhor jogador do mundo. Buffon jogava com o coração, focado, determinado a ser o herói a frente desse time. Mas até quando o campeão europeu aparenta estar abatido e sem criatividade, encontram uma luz no fim do túnel. É o que diferencia times grandes de times gigantes.

Já nos acréscimos da partida, quando pouquíssimos tinham esperança, a esperança foi alimentada. O abençoado Minuto 93 surgiu novamente, quando Toni Kroos levantou a bola na área, Cristiano Ronaldo escorou para trás na direção de Lucas Vásquez. Mas antes que o espanhol chegasse à bola, o zagueiro Benatia o tocou por trás e Lucas caiu no chão. O árbitro Michael Oliver assinalou pênalti no mesmo instante. Sequer hesitou.

Imagem relacionada

Muito tempo se passou até que o goleiro polonês Sczesny entrasse em campo, enquanto Cristiano Ronaldo aguardava calmamente na marca da cal, com a bola e suas mãos. A oportunidade de redenção do Real Madrid estava, mais uma vez, nos pés do camisa 7. Mas o português não sabe o que é pressão, e mostrou que, sempre que está em campo, quem sente pressão é o adversário. Sua cobrança foi de uma perfeição absurda, indefensável, forte e no alto, como deve ser feito.

O sentimento da Juventus certamente era semelhante ao de fracasso ou morte. Uma reação tão incrível e inesperada ser interrompida por uma decisão que, na visão de muitos fãs de futebol (que até inclui alguns torcedores do Real Madrid), foi errada.

Resultado de imagem para benatia vasquez

O grande problema da Juventus foi não entender que, quando se trata de Liga dos Campeões, o Real Madrid estará forte até em seus momentos mais fracos. Thurman Thomas Womens Jersey

Autor
Redator
Sorry! The Author has not filled his profile.

Compartilhe
Lucas Kalebe
Lucas Kalebe
Estudante de jornalismo, loucamente apaixonado por futebol e madridista de sangue blanco. Nenhuma alegria superará a que senti no minuto 93. [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: