Real Madrid, Barcelona e a hipócrita avaliação dupla que Mourinho denunciava

Zidane quer terminar a temporada com um “15 perfeito”
13 de março de 2018
Contratar Neymar é prioridade para o Real Madrid
14 de março de 2018

O Real Madrid não reconhece um adversário a sua altura na Champions.

O PSG que varreu o Barcelona por 4 a 0 escalou Marquinhos, Rabiot, Verratti, Dí Maria e Cavani desde o início, e entrou igual contra o Real Madrid, na partida em que foram eliminados esta temporada. Então todo mundo elogiou a equipe selecionada por Unai Emery, e até Verratti, que hoje está mudado graças a reforma feita por alguns gurus, tornou-se mais um alvo dos culé.

Na partida de volta, aquele do milagroso 6 a 1, Dí Maria foi para o banco. Mas, também como mudança, entraram Thiago Silva, Meunier e Draxler. Depois daquele jogo, a imprensa espanhola quase não falou de Deniz Aytekin, árbitro daquela partida, muito menos se falou que o PSG foi omisso; apenas empregaram termos como milagre, façanha histórica, noite inesquecível…

Os comandados de Unai Emery não souberam manter a vantagem construída em casa (FOTO: GiveMeSport)

Um ano depois nos encontramos com um PSG reforçado por Neymar, Mbappé e Daniel Alves e olha só! Hoje ninguém fala da façanha do atual campeão europeu. Apenas da ausência que foi Neymar (o Real Madrid jogou em Paris sem Kroos e Modric), que estava presente no 3 a 1 na Espanha, ou falam do amadurecimento claro de um time que, se tivesse jogado em dezembro, quando o sorteio foi feito, teria eliminado o Real Madrid antes mesmo de desembarcar do ônibus.

E então vieram os comentários que o PSG é pequeno, não tem camisa, e que Verratti é uma farsa, uma mentira do futebol, um juvenil; falam que é um time de garotos mimados, que Pastore é um jogador que ninguém entende como ainda está no time, falam que Thiago Motta, Rabiot e Verratti não podem andar pela Europa.

400 milhões de euros em investimento: mais uma eliminação nas oitavas. (Foto: FRANCK FIFE)

E da equipe que venceu três Liga dos Campeões em quatro anos não fazem comentários de exaltação. Não há embargo, mas a imprensa espanhola fala muito pouco sobre o que foi esse jogo. Se quiser ler manchetes semelhantes às postadas após o 6 a 1, teria que procurar em veículos imparciais. E eu me pergunto: Por que um time que levou 4 gols, e foi dominado fora de casa, mas conseguiu se classificar após uma atuação duvidosa da arbitragem, recebe mais mídia do que a equipe que venceu os dois jogos contra um PSG reforçado com Neymar e Mbappé? Vencer era obrigação só para o Real Madrid?

Sou obrigado a concordar, Mourinho. Realmente vemos um peso e duas medidas. Jake Elliott Authentic Jersey

Autor
Redator
Sorry! The Author has not filled his profile.
Lucas Kalebe
Lucas Kalebe
Estudante de jornalismo, loucamente apaixonado por futebol e madridista de sangue blanco. Nenhuma alegria superará a que senti no minuto 93. [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: