Marcelo fala sobre o jogo mais difícil de sua carreira e monta um time com os 11 melhores que já jogou

Benzema e a ordem de capitães do Real Madrid
1 de abril de 2018
Zidane: “A diferença para Isco é que na seleção tem oito partidas e aqui há 60”
2 de abril de 2018

Em vídeo publicado em seu canal do YouTube, o lateral esquerdo respondeu perguntas dos fãs.

Compartilhe

Dê uma nota pra esse post:

O último vídeo que Marcelo postou em seu canal “Marcelo Twelve #M12”, o segundo do tipo “Marcelo Responde (Q&A)”, trouxe mais informações e detalhes interessantes sobre Marcelo.

A primeira, e mais interessante, é sobre o jogo mais difícil da carreira de Marcelo, que foi a final da Liga dos Campeões de 2015/2016, contra o Atlético de Madrid. “Foi um jogo pegado, um jogo com porrada pra tudo quanto é lado, com medo deles fazerem um gol, porque a gente precisaria fazer mais um também, uma loucura”, lembra Marcelo, que ainda comentou ser uma pergunta nunca feita para ele antes. “Quando terminou o jogo, eu saí correndo pra minha família, esse jogo foi uma loucura, porque foi pros pênaltis, então foi ‘brabo’. Foi o mais difícil”, completou.

Outra pergunta feita para Marcelo foi sobre a sensação de ser escolhido como melhor lateral esquerdo do mundo seguidas vezes (foram quatro, em 2012, 2015, 2016 e 2017). O brasileiro mostrou um lado diferente dessas conquistas. “Foi a realização de um sonho. Mas muita gente acha que é só jogar futebol, não levam em consideração a pressão envolvida, as funções fora do time, como pai, marido, cuidar do corpo, treinar, ser exemplo… Então não é só ser jogador”. A relevância e ênfase que Marcelo deu para o papel da família nesses momentos, mostrando que o brasileiro é um homem dependente dessa base. “Esse prêmio é meu e da minha família, porque minha família está sempre comigo. (…) É como eu sempre digo, se tu ta bem fora de campo, dentro de campo você está legal”, concluiu Marcelo.

O tema que certamente irá ser muito comentado pela imprensa, foi quando Marcelo foi perguntado sobre os 11 melhores jogadores com quem ele jogou. Para surpresa de muitos, o goleiro espanhol, e capitão de Marcelo por muitos anos, Iker Casillas, ficou de fora do “dream-team”, assim como Ronaldo, Figo, Pepe e Toni Kroos. Mas sendo bem justo, o time formado é melhor do que muitos que a FIFA já selecionou como melhores do ano.

No gol, uma surpresa (para alguns) na escolha do brasileiro Julio César, com quem jogou a Copa do Mundo de 2014 e Copa das Confederações de 2013. O quarteto defensivo é formado por Daniel Alves na lateral direita, Thiago Silva, Sérgio Ramos, seu atual capitão e companheiro de time, e Roberto Carlos, de quem Marcelo é fã e sempre gosta de reforçar isso.

Completando o meio campo, começou com Casemiro de volante. Continuou com Luka Modric, um jogador que ele prontamente disse que seria o capitão de seu time, sem hesitar. Armando o time, Marcelo escolheu o alemão Mesut Ozil. E pra completar o losango, Zinedine Zidane, seu atual técnico, com quem jogou durante pouco tempo, mas não deixa de ser relevante (e de acordo com as regras do “jogo”).

E pra fechar o ataque, uma escolha que era óbvia: Cristiano Ronaldo. Pra fechar o time, Marcelo ficou pensando por um tempo, talvez avaliando todos outros atacantes com quem já jogou, mas não resistiu e escolheu Neymar. Uma seleção e tanto!

Essas e outras perguntas respondidas estão no canal de Marcelo no YouTube: “Marcelo Twelve #M12”

.

  Ryan Miller Authentic Jersey

Autor
Redator
Sorry! The Author has not filled his profile.

Compartilhe
Lucas Kalebe
Lucas Kalebe
Estudante de jornalismo, loucamente apaixonado por futebol e madridista de sangue blanco. Nenhuma alegria superará a que senti no minuto 93. [email protected]
%d blogueiros gostam disto: